Efeito Fallout: A obra-prima do cinema de ação

O maior desafio de Missão Impossível foi se manter coeso e não entediante durante todo esse tempo, o que é executado com maestria no decorrer do processo.

Tom Cruise tem 54 anos de idade. O filme, 148 minutos de duração. Todos sabem que o compromisso de filmes longos exige uma certa dedicação do público, que consequentemente, espera algo grandioso, impactante ou com forte abalo emocional em troca de seu precioso tempo perdido. É decepcionante ver algo em que o telespectador se doa tanto a acompanhar e acaba frustrado no final. Contudo, o que acontece aqui é justo oposto. O espectador é brindado com excelentes sequências de ação que perduram por tempo gratificante e sem perder o impacto ou se tornar repetitivo.

A trama é longa mas não monótona (e muito menos, óbvio) – é o mais diferente da franquia que já tinha alcançado o ápice em “Protocolo Fantasma”. A película envolve não só o personagem de Tom Cruise a lutar contra seus demônios, mas também todos seus amigos. É diferenciado por englobar todos os personagens, e, portanto todos sofrem as consequências das decisões do protagonista. Nota-se que aqui já estão carregados, não executam missões com a mesma fluência, rapidez e eficiência que nos primeiros filmes e anos.

Particularmente, a produção foi a que mais levou o conceito “missão impossivel” a sério. Sem querer dar spoilers, mas a missão aqui foi de fato impossível. E, mesmo assim, se manteve plena por todo plano de execução. Quando acaba, dá até um sentimento de satisfação no telespectador por ter acompanhado aquilo.

Missão Impossível: Efeito Fallout (2018) é imprevisível, frenético, tenso. Há uma sequência específica no terceiro ato envolvendo helicópteros que me arrisco a falar: esse foi o melhor presente que o gênero de ação audiovisual poderia ganhar, no mínimo, nos últimos 20 anos. Apesar do fechamento apressado, isso não diminui a grandeza da obra, cujos produtores provavelmente ainda pensem se haverá um próximo longa. Caso finalizasse assim, seria com o fechamento de uma grande série de filmes que nem sempre foi valorizada. Certamente, com um dos melhores filmes de ação já feitos, não é difícil perceber isso, inclusive.

Sendo assim, ocorrendo um próximo filme, será muito difícil ser mais “Missão Impossível” do que esse. Porém, é de despertar ansiedade para ver Tom Cruise com 70 anos de idade em filmes de 3 horas, mostrando para muita gente que grandes coisas podem ser feitas aqui.

Para quem não esperava muito do filme de uma série com esse nome, se surpreende e percebe que esse foi um dos melhores presentes que o cinema poderia lhe dar em 2018.

NOTA: 4.5/5.0

Etiquetas